Filme brasileiro “O Matador”, da Netflix, faz sucesso e mostra como a Globo é ruim

Filme brasileiro “O Matador”, da Netflix, faz sucesso e mostra como a Globo é ruim
Filme brasileiro “O Matador”, da Netflix, faz sucesso e mostra como a Globo é ruim

A Globo está ficando sem saída: desde muito tempo, ela gasta capital político pressionando pela proibição da entrada no país e, posteriormente, pela taxação pesada de empresas estrangeiras de comunicação. Seu objetivo era(é) unicamente dificultar o acesso ao conteúdo de empresas como Netflix, que estão ganhando mercado. Esforço em vão, nos dois casos.

Por onde passa, a Netflix se esforça em produzir conteúdos locais. O último lançamento brasileiro foi o filme “O Matador“, que conta a história de Cabeleira, homem que “decide descobrir o destino de seu pai cangaceiro e também acaba se tornando o temido pistoleiro.”

Esta produção representa um dos temores da Globo em ter o Netflix do Brasil: a obra é tão bem feita que põe no chão todos os conteúdos do gênero já produzidos pela Rede Globo, a maior empresa de comunicação do Brasil desde muito tempo (e que nada teve a oferecer…).

REAÇÃO DA CRÍTICA

O filme foi bem aceito, sendo bastante elogiado pela construção da história e quantidade de atores renomados. Com tamanha demonstração de qualidade e de respeito à regionalidade brasileira, a Netflix conquista de imediato os brasileiros mais nacionalistas, que enxergam nesse país um grande produtor e exportador de Cultura.

RESULTADO PRÁTICO

São dois coelhos com uma cajadada só: o Brasil ganha um filme que o representa (com respeito) e ao mesmo temos um parâmetro para perceber como o conteúdo produzido pela Globo não passa de lixo…

Confira o filme “O Matador” no Netflix clicando aqui.

 

1 Comment

  1. Ótimo artigo! Existe “conteúdo” de qualidade e boa mídia fora da globo… Esse império global tem que acabar… além de prejudicial ao desenvolvimento democrático do nosso país, onde a mídia sempre foi utilizada para manipulação das massas e favorecimento dos ideais das classes mais privilegiadas.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *